Histórico

Idealização do Exame

Em 19 de fevereiro, a Portaria Interministerial (Ministério da Educação e Ministério da Saúde) nº 383, constitui uma subcomissão de revalidação de diplomas para aprimorar o processo de revalidação de diplomas expedidos por instituições de ensino estrangeiras, especificamente do curso de medicina. Ao Inep é delegada a responsabilidade pela implantação de um exame com esse objetivo.

Em 15 de setembro, a Portaria Interministerial (Ministério da Educação e Ministério da Saúde) nº 865, aprova o projeto piloto de revalidação de diploma de médico expedido por universidades estrangeiras e a disponibilização de exame de avaliação para subsidiar a revalidação conduzida por universidades públicas. O documento determina que o Exame seja implementado pelo Inep com colaboração dessas universidades.

Projeto Piloto

Responsável pela execução e aplicação do exame, o Inep participa do projeto piloto de revalidação de diplomas médicos obtidos no exterior, juntamente com o Ministério da Educação, por meio da Secretaria de Educação Superior (Sesu), e o Ministério da Saúde. O projeto piloto não excluiu o procedimento ordinário de revalidação de diplomas realizado pelas universidades públicas, mas iniciou outro processo visando mais isonômia de acesso e de critérios de análise.

A avaliação escrita do projeto piloto foi realizada em 24 de outubro, enquanto a avaliação de habilidades clínicas foi aplicada em 4 de dezembro somente aos aprovados na avaliação escrita.

Participaram do projeto piloto os graduados em Medicina, em curso reconhecido pelo Ministério da Educação ou órgão correspondente no país de conclusão, com carga horária mínima de 7.200 horas, período de integralização de 6 anos e 35% de carga horária em regime de treinamento em serviço/internato, de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Medicina.

A execução do Projeto Piloto é reconhecida como um avanço. Como política pública, o Revalida destaca-se por atender uma demanda reprimida de revalidação de diplomas de curso médico obtidos no exterior e de estrangeiros com intenção de exercer a profissão no Brasil.

Primeira edição

A experiência com o projeto piloto subsidiam a institucionalização do Revalida.
A edição de 2011 consolida a metodologia de elaboração e aplicação da prova testada no projeto piloto.
A prova escrita foi aplicada em 28 de agosto, enquanto as provas de habilidades clínicas foram realizadas em 1º e 2 de outubro.
A taxa de inscrição cobrada é de R$ 100, para a primeira avaliação, e de R$ 300 para os participantes classificados para a avaliação de habilidades clínicas.
Os participantes que fizeram o projeto piloto ficaram isentos da primeira taxa. Participaram 536 médicos.

Inclusão do Celpe-Bras

A segunda edição do Revalida traz como novidade a necessidade de o participante que não tenha o português como língua oficial apresentar, na inscrição, o Certificado de Proficiência em  Língua Portuguesa  para  Estrangeiros (Celpe-Bras),  em nível  intermediário  superior.

Imagem de uma universidade.

A prova escrita foi aplicada em 21 de outubro, enquanto a prova de habilidades clínicas foi realizada em 1º e 2 de  dezembro. A taxa de inscrição seguiu no valor de R$ 100, para a primeira avaliação, e de R$ 300 para os participantes classificados para a avaliação de habilidades clínicas. Foram 782 participantes.

Revalida 2013

A primeira etapa, com prova objetiva e discursiva, é realizada em 25 de agosto, enquanto a prova de habilidades clínica é aplicada em 30 de novembro e 1º de dezembro. A taxa de inscrição permanece igual à da primeira edição: R$ 100 para a primeira avaliação e R$ 300 para os participantes classificados para a avaliação de habilidades clínicas. Participaram 1.595 médicos.

A partir desta edição o participante que não tenha o português como língua oficial passa a ter que informar, na inscrição, se possui ou não o Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros  (Celpe-Bras),  em nível  intermediário  superior. A apresentação do certificado passa a ser cobrada apenas àqueles que forem aprovados no Revalida.

Revalida 2014

A prova escrita foi realizada em 20 de julho.
O valor da taxa de inscrição permanece R$ 100 para a primeira avaliação e R$ 300 para os participantes classificados para a avaliação de habilidades clínicas.
Essa segunda etapa do exame foi realizada em 27 e 28 de setembro.
Participaram 1.999 médicos.

Imagem de diploma, caneta e assinatura.

Revalida 2015

Em 18 de outubro, foram aplicadas as provas escritas – objetiva e discursiva.
As provas de habilidades são realizadas em 28 e 29 de novembro. 
O valor da taxa de inscrição permanece R$ 100 para a primeira avaliação e R$ 300 para os participantes classificados para a avaliação de habilidades clínicas.
Foram 3.993 participantes.

Revalida 2016

As provas escritas são aplicadas em 11 de setembro, enquanto as provas de habilidades são realizadas em 3 e 4 de dezembro.
Em 2016, 45 instituições de educação superior aderiram ao exame e tiveram a homologação pela Sesu, em todas as regiões do país, e foram credenciadas para validar os diplomas.
Em 2016, 6.541 médicos se inscreveram no Revalida.

Página atualizada em: 12 junho 2017