Inep 03 de Dezembro de 2019

Inep reforça compromisso com a acessibilidade no Dia Internacional das Pessoas com Deficiência

A cada ano, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) aprimora os recursos de acessibilidade para garantir que os exames e as avaliações sejam realizados com equidade por um número cada vez maior de participantes. Para a realização somente do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019, o instituto realizou 38 mil atendimentos especializados e, no caso do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja), foram mais de 5 mil. As aplicações do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), que avalia os cursos da educação superior, também oferecem recursos de acessibilidade para os estudantes.

Enem 2019 – Pela primeira vez neste ano, o participante do Enem pôde informar, durante a inscrição, que é usuário de aparelho auditivo ou de implante coclear. Com isso, 1.848 participantes informaram a organização do exame a respeito dos dispositivos e tiveram a entrada nas salas de aplicação facilitada.

A comunidade surda que tem a Língua Brasileira de Sinais (Libras) como primeira língua faz, desde 2017, a videoprova traduzida em Libras. A modalidade permite que o participante realize a prova em notebook, mediante vídeo com enunciados das questões e opções das respostas traduzidas em Libras. Quem faz a videoprova conta com 120 minutos adicionais para cada dia do exame. Na última edição do Enem, 1,3 mil participantes fizeram o exame com videoprovas em Libras e 14,8 mil contaram com tempo adicional para finalizar a prova. Para atender quem precisa de auxílio para leitura, o Inep garantiu 6 mil ledores de provas.

O Inep oferece diversos recursos de acessibilidade para atender os participantes dos exames e avaliações (veja os recursos no fim deste texto). Além dos recursos previstos em edital dos exames, os participantes podem utilizar materiais próprios durante as provas, como óculos especiais, lupa e soroban.

Acessibilidade – Os recursos acessíveis oferecidos nos exames e avaliações do Inep fazem parte da Política de Acessibilidade e Inclusão do Inep, que visa abranger o maior número possível de interessados na execução dos exames elaborados pela instituição. O objetivo é proporcionar acesso aos programas educacionais brasileiros, promovendo a equidade.

Visão monocular e baixa visão: ledor, transcritor, prova com letras e figuras ampliadas, sala de fácil acesso. Se solicitado, o candidato pode fazer o uso de alguns materiais próprios, como caneta de ponta grossa, tiposcópio, óculos especiais, lupa, telelupa e luminária.

Cegueira: prova em braile, ledor, transcritor, sala de fácil acesso. Assim como os candidatos com baixa visão, o deficiente visual também pode ter auxílio de materiais próprios. São eles: máquina Perkins, punção, reglete, assinador, tábuas de apoio, sorobã e cubaritmo – instrumentos que auxiliam na escrita e nos cálculos para pessoas cegas. O participante também pode fazer a prova acompanhado de cão-guia.

Surdocegueira: guia-intérprete, prova em braile, transcritor, sala de fácil acesso.

Deficiência auditiva e surdez: tradutor-intérprete de Língua Brasileira de Sinais (Libras), leitura labial, videoprova em Libras.

Autismo, discalculia, déficit de atenção e dislexia: ledor, transcritor, tempo adicional – uma hora por dia.

Deficiência intelectual: ledor, transcritor, sala de fácil acesso.

Deficiência física: transcritor, sala de fácil acesso, mobiliário adaptado (mesa e cadeira sem braços e mesa para cadeira de rodas).

Veja outras informações sobre acessibilidade nos press kits dos exames